Confiança do consumidor paulista sobe 6 pontos em fevereiro | ACIRP


16/03/2018

Confiança do consumidor paulista sobe 6 pontos em fevereiro

A confiança do consumidor paulista atingiu 74 pontos em fevereiro, um aumento de seis pontos em relação a janeiro, aponta o Índice de Confiança de São Paulo (IC-SP) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

É o maior patamar registrado nos últimos 30 meses, ou seja, desde agosto de 2015, quando o indicador marcou 79 pontos. “Depois de vivenciar o agravamento das crises econômica e política nos últimos três anos, o consumidor paulista começa a ficar mais confiante em 2018, influenciado principalmente pelo setor industrial, que tem apresentado crescimento consecutivo. Como São Paulo é o estado mais industrializado do País, sente mais a melhoria do setor”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 

Para ele, outros fatores que puxaram a confiança do consumidor paulista são a gradativa recuperação do emprego, as quedas da inflação e dos juros e o aumento da massa salarial.

Por outro lado, Burti faz duas ressalvas. A primeira é que o IC-SP de fevereiro (74) está longe de chegar ao campo otimista (acima de 100 pontos) ― a última vez que isso aconteceu foi em março de 2015 (104 pontos).

A segunda é que o cenário político inspira atenção. “As situações ou indefinições neste ano de eleição podem diminuir a confiança do consumidor paulista no futuro”, diz o presidente da ACSP.

A pesquisa abrange todo o território paulista e é realizada mensalmente pelo Instituto Ipsos a partir de entrevistas domiciliares. O IC-SP deste mês foi feito entre 1º e 16 de fevereiro.

O índice varia entre zero e 200 pontos; o intervalo de zero a 100 é o campo do pessimismo e, de 100 a 200, o do otimismo. A confiança do brasileiro, medida pelo Índice Nacional de Confiança (INC) da ACSP, marcou 77 pontos, mesmo resultado de janeiro. O INC detectou que o consumidor brasileiro está menos inseguro no emprego.   

Componentes

A maior parte dos componentes do IC-SP melhoraram na passagem de janeiro para fevereiro: segurança no emprego, perda de emprego, avaliação da economia da região hoje, avaliação da economia da região em seis meses, avaliação da situação financeira pessoal hoje, avaliação da situação financeira pessoal em seis meses, comprometimento com uma compra maior, investimento no futuro. Íntegra da pesquisa: Índice de Confiança de São Paulo/IC-SP (Estado de SP)

Metodologia

O IC-SP é elaborados a partir de 1,2 mil entrevistas pessoais e domiciliares, com base em amostra probabilística e representativa da população de áreas urbanas de acordo com dados oficiais do IBGE (Censo 2010 e PNAD 2014). Trata-se de uma medida da extensão de confiança e segurança da população quanto à sua situação financeira ao longo do tempo. Além de indicar a percepção da população quanto à economia, o índice visa a prever o comportamento do consumidor no mercado. A margem de erro é de três pontos.